A Ponte Preta venceu em primeira instância um processo iniciado pelo volante Paulinho após sua saída do clube em 2018. O jogador, de 30 anos, alegava suposta fraude no contrato de imagem, além de afirmar que o valor era pago na conta da própria esposa. No entanto, a Justiça entendeu que não houve irregularidades no acordo.

O advogado João Felipe Artioli, que representou a Macaca no caso, explicou o processo.

– A Ponte Preta comprovou documentalmente que o contrato de cessão de imagem foi celebrado com uma empresa indicada pelo atleta, da qual ele sequer integra o quadro social, e que os pagamentos eram realizados na conta bancária desta empresa, nunca da esposa de Paulinho – afirmou.

Além disso, segundo o clube, ficou comprovado que o mesmo modelo de contrato já havia sido feito entre o clube e o jogador em sua primeira passagem pela Macaca, em 2015, e que, à época, não houve questionamentos sobre o formato.

Sobre o contrato de imagem, a juíza reconheceu que não havia qualquer fraude e julgou improcedente o pedido neste sentido e de reconhecimento dos valores pagos a título de imagem como salário. O entendimento dela foi de que o atleta não negou ou fez prova em contrário daquelas provas que nós apresentamos – acrescentou Artioli.

Com a derrota, Paulinho teve como sentença pagar os pagar honorários dos advogados pontepretanos. A sentença foi dada em primeira instância e cabe recurso de ambas as partes.

Fonte –  Globo Esporte

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui